Pais fazem ensaio “revelação de gênero” para sua filha trans de 6 anos

Pais fazem ensaio “revelação de gênero” para sua filha transgênero de 6 anos – (Foto: Heather Harris Witt)

Após Julie Hisndsley, mãe de dois, relatar no Facebook a história do filha transgênero Ella – que antes era Easton -, a fotógrafa Heather Harris Witt entrou em contato para saber se eles gostariam de fazer uma sessão de fotos de “revelação de gênero”, visando a conscientização dos pais e de todas as pessoas sobre o transexualismo.

Desde muito cedo que que Ella, de 6 anos, se sentia atraído por qualquer coisa feminina. Ao site Twenty Two Words, Julie e o marido Daniel Hindsley, que também são pais do Grant, contam que a filha gostava de vestir sapatos e as roupas da sua mãe desde cedo, mas que eles sempre acharam alhgo natural. “Estávamos convencidos de que era uma fase ou provavelmente teríamos um filho gay”, afirmou Julie.

“Mas isso não foi uma fase. Quando Ella tinha cerca de 3 anos, ela se aproximou da mãe e disse: “Eu quero ser uma garota, mãe! Apenas me faça uma garota!”, relatou a mãe. Em outra entrevista, ao portal POPSUGAR, Julie contou que a filha sempre insistiu em “sair de vestido” e “ter um cabelo longo”. “Ela ficava muito triste quando eu dizia que não”, diz.

(Foto: Heather Harris Witt)

Então, os pais permitiram que Ella deixasse o cabelo crescer e afirma o tempo todo que era “irmã, menina e garota”. No entanto, as coisas começaram a ficar mais dificéis quando a garota começou a frequentar a escola. “Nós sempre dizíamos: ‘Você pode brincar com bonecas aqui, mas não pode tirá-las em público. Você pode usar esse vestido em casa, mas não pode usá-los fora de casa”, lembra Julie.

Os pais decidiram procurar ajuda tanto para eles como para Ella. Quando eles perceberam que sua filha era transgênero, um terapeuta recomendou a Julie e Daniel que realizassem a transição social, inclusive com a mudança de nome. “Após uma das consultas, meu marido começou a procurar, em segredo, nomes de garotas que começassem com ‘E’ e eu descobri. Essa foi a primeira vez que percebi que tinha uma filha transgênero. E ele [Daniel] a apoiava totalmente”, relembra a mãe.

“Quando veio o convite das fotos eu disse, sim, porque como moro em uma cidade conservadora, queria ajudar a espalhar essa consciência”, disse Julie. Por conta da pandemia de coronavírus, a sessão de fotos não aconteceu até maio. E logo depois, a mãe decidiu adiar a publicação do ensaio fotográfico por causa da morte de George Floyd, que ocorreu pouco antes das fotos.

(Foto: Heather Harris Witt)

“Eu não tenho ideia de como é ser negro, mas posso imaginar a mágoa que algumas das mães negras estão sentindo agora. Jamais conhecerei as lutas que eles enfrentam, mas sei como é ter um filho que é visto como diferente, ou até menos humano”, relatou Twenty Two Words.

Ainda de acordo com a mãe, praticamente toda a família tem apoiado, mesmo que tenha que “gastar um tempo extra” explicando com alguns deles. “Dá para notar que a Ella, que está com 6 anos agora, está feliz. As fotos demonstram verdadeiramente como ela está feliz agora que pode ser o seu verdadeiro eu”, conclui Juile. com redetv

Leave a Reply

Seja o primeiro a comentar